Educação financeira: Você sabe controlar as suas finanças?

A educação financeira vai muito além da simples ideia de aprender formas de “ficar rico”. Na verdade, para conquistar o tão sonhado largo patrimônio, com todo o conforto que você pode desejar, é preciso, em primeiro lugar, saber como administrar as próprias finanças.

E é isso que, resumidamente, a educação financeira representa. Ou seja, é um conjunto de conhecimentos e práticas que devemos adotar para garantir e preservar a saúde de nosso suado dinheiro. E, com isso, sermos capazes de investir da melhor forma.

Entretanto, esse hábito de cuidar da economia dentro de casa não faz parte da cultura dos brasileiros. Isso ajuda a explicar a preocupante estatística de mais de 40% das pessoas no país terem alguma dívida, segundo levantamento da Serasa Experian.

Veja também: 4 formas de evitar dívidas e começar a investir

Então, se você tem interesse em dominar o mundo dos investimentos, precisa ter total entendimento dos conceitos de educação financeira para aprender a controlar seus gastos e rendimentos, o quanto antes. É sobre isso que esse texto vai falar, então, acompanhe!

O que é educação financeira?

A própria Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – que reúne 36 países para discutir políticas públicas e econômicas – entende a educação financeira como um processo para melhorar a compreensão sobre “conceitos e produtos financeiros”.

Para isso, é primordial que haja “informação, formação e orientação” para conscientizar as pessoas sobre “oportunidades e riscos” e, então, permitir que elas façam escolhas bem embasadas e tomem ações que visem o bem-estar.

“Assim, podem contribuir de modo mais consistente para a formação de indivíduos e sociedades responsáveis, comprometidos com o futuro”, afirma o chamado “clube dos ricos”.

Importância da educação financeira

Em outras palavras, a educação financeira é o cuidado que cada um de nós devemos ter para equilibrar ganhos e gastos. Isso envolve o desenvolvimento de uma consciência sobre formas de economizar no dia a dia e, assim, evitar despesas que poderiam prejudicar a economia familiar, por exemplo.

O mais interessante nisso tudo é saber que não adianta olhar para o próprio umbigo, uma vez que a economia é totalmente integrada. Ou seja, o que acontece nas finanças da sua casa e na do vizinho tem um poder de influência enorme na sociedade com um todo.

Por isso, prevenir o endividamento é essencial para a qualidade de vida não somente dos indivíduos, mas de todo o país. O assunto é tão sério que, a partir deste ano, as escolas brasileiras precisam, obrigatoriamente, oferecer o ensino de educação financeira, conforme uma decisão do Conselho Nacional de Educação (CNE).

Brasileiros entendem de educação financeira?

É possível perceber que os brasileiros estão começando a querer entender melhor sobre finanças, medidas para quitar e prevenir dívidas e, claro, formas de investir o suado dinheiro. Há diversas pesquisa que mostram o comportamento da população nesse cenário.

Uma delas, por exemplo, mostrou que 63% das pessoas no Brasil mantêm um acompanhamento dos próprios gastos, segundo levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O dado é de 2018, enquanto o de 2017 falava em 55%, ou seja, a conscientização está crescendo!

Apesar de cerca de 36% dos brasileiros não terem controle das próprias finanças, o número acima mostra que a maioria já busca ter uma compreensão maior sobre as entradas e as saídas de dinheiro. Ou seja, a educação financeira pode ainda não fazer parte naturalmente de nossa cultura, mas isso tem tudo para ser revertido, felizmente.

E o fato de o assunto passar a ser abordado nas escolas demonstra a importância de discutirmos sobre finanças o quanto antes, para que, ainda na infância, as pessoas tenham consciência e conhecimento para caminharem sempre em direção a um equilíbrio, ou melhor, uma estabilidade financeira.

O que é estabilidade financeira?

Estabilidade financeira é uma expressão que você pode usar quando não encontra mais dificuldades para manter as suas contas em equilíbrio, mês após mês, ano após ano. Ou seja, é quando você consegue administrar seus gastos cuidadosa e rotineiramente, de forma que dívidas dificilmente venham te assombrar.

Quando você se encontra estável financeiramente, você é capaz de arcar com suas despesas com tranquilidade, pois tem dinheiro suficiente para isso. E, quando você alcança essa realidade, significa que está colocando em prática a educação financeira.

Além disso, a estabilidade caminha lado a lado com os investimentos financeiros, pois ela permite que as pessoas nesse patamar possam investir frequentemente e, assim, aumentar cada vez mais o patrimônio, fazer planos de viagens, estudo, compras, bem como criar objetivos e metas para o futuro, inclusive de aposentadoria.

Como alcançar a estabilidade financeira?

Educação financeira é a resposta para o alcance do equilíbrio das contas. Por isso, todos os passos que você verá a seguir têm relação justamente com ela. Confira!

Mantenha controle de seus gastos

Você precisa saber quanto ganha e quanto gasta, simples assim. Coloque todas as informações, a cada mês, no caderno de anotações ou monte uma planilha ou baixe um aplicativo – há muitos gratuitos.

Dessa forma, você terá maior noção sobre seus “passos maiores que as pernas” e, assim, poderá mudar hábitos para condutas financeiras mais saudáveis.

Tenha clareza de suas prioridades

Tome muito cuidado com as compras por impulso, pois podem estar longe da sua prioridade. Por isso, reflita sempre sobre seus gastos e a necessidade de cada um deles. Existem alguns que são realmente essenciais, e só você, no seu contexto de vida, saberá quais precisa manter e quais podem ser excluídos.

Estude, estude e estude sobre educação financeira

Hoje nós temos um recurso que é incrível para aprender sobre educação financeira: internet! Existem inúmeros sites, blogs, perfis nas redes sociais e canais no YouTube (como “Me poupe!” e “O Primo Rico”) dedicados a ensinar os brasileiros a cuidarem da saúde financeira e alcançar a estabilidade e, também, investir.

Há, ainda, cursos online e gratuitos com esse objetivo, oferecidos por diversas instituições como a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e o próprio Banco Central.

Além do mundo online, há inúmeras possibilidades offline, como palestras, workshops de finanças e, claro, livros. Há muitos títulos, sendo alguns dos mais famosos os seguintes:

  • “Pai Rico, Pai Pobre”, de Robert Kiyosaki e Sharon L. Lechter
  • “Os Segredos da Mente Milionária”, de T. Harv Eker
  • “Quem Pensa Enriquece”, de Napoleon Hill
  • “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos”, de Gustavo Cerbasi

Essas obras não são guias para fazer dinheiro da noite para o dia, mas, sim, para aprender a ter uma relação saudável com ele e, então, ser capaz de valorizá-lo.

Seja diferente ao controlar seu dinheiro e investir

Você viu nesse texto que a mentalidade de nós, brasileiros, está caminhando para uma mudança com relação à educação financeira, mas o trajeto ainda será longo, pois requer um rompimento com hábitos enraizados, não é mesmo?

Por isso, quem é capaz de controlar as próprias finanças já conquistou um grande diferencial no país e, com isso, encontra diversas oportunidades interessantes também no mundo dos investimentos. São muitas as modalidades, então, é primordial entender bem qual é o seu perfil de investidor para, então, seguir em frente!

Se você sabe administrar bem o seu dinheiro, também reconhece que é fundamental continuar se informando sobre o assunto, concorda? Confira nosso blog com diversos outros tópicos ligados a finanças pessoais e investimentos e acompanhe também nosso Instagram.

Confira também:

Por que e como investir no Mercado Imobiliário em 2020

Por que você precisa ter uma carteira de investimentos diversificada

Qual a importância da CVM? Entenda!

Rolar para o topo